18 janeiro 2013


tu "...queimas como a chama mais brilhante"
mostrando-me todo o teu ser fatal 
que se acomoda no meu corpo que transpira
de desejo sem conta peso e medida
pelo teu que arde de loucura e me dá vida.

eu quero-te com todo o teu êxtas
e o amor que inalas de mim 
onde sou a tua poltrona da "fama" e tu...
o meu "Mundo".
  


16 comentários:

LUZ disse...

Olá, Sérgio!

- Posso entrar?
- Ora essa! A "casa" é toda "sua".
- Olhe, a sua kika a abanar a caudinha. Vê?
- E sabe o que é que isso significa, Luz?
- Suponho, que sim, mas quero ouvir da sua boca.
- Gosta de si. Adora tê-la, por cá.
- Era o que eu pensava.
Faço-lhe uma festa e ela salta para o meu colo. Olha-me, movimenta-se, insistentemente, e depois, lambe-me.
- É o beijo da saudação. Entendeu o gesto dela?
- Sim, Sérgio, perfeitamente. Os animais são melhores que nós, em matéria de espontaneidade de afetos. Fazem aquilo que, na altura, lhes apetece. Nós dizemos: não pensam. Eles é que pensam e agem, sempre, com o coração.
Vamos ver um dos seus blogues, o mais emblemático e onde publica mais pensamentos e desabafos?
- Vamos lá! Com todo o gosto. Depois da sua leitura, quero críticas, comentários e posso pedir...?
- O quê? Assim, fico curiosa. Diga, por favor.
- Um poema seu, umas palavrinhas.
Num compasso de espera e silêncio, eu leio a última publicação, que o Sérgio, tinha escrito.

Há também um vídeo muito expressivo, cheio de força anímica, mas poderia ser um pouco "caliente", isto é, mais de acordo com o texto escrito.

Ela, é comparada a uma chama fatal. Fatal, não por fatalismo ou desgraça, mas por sedução.
Corpos que se aninham, desejos por concretizar e um coração, prontinho para se entregar.
E a vida acontece. Ele estremece. Ela olha-o, com ternura, e emudece, inalando-o, como se quisesse respirar e partirem, ambos, para algum lugar.

- Tanta sensibilidade! Tão sensorial, Sérgio!

Olha-me, fixamente, enquanto contrai os lábios, um de encontro ao outro, aperta uma mão com a outra e parece uma criança, um pouco assustada e até envergonhada.

Era entardecer. Nos olhos, um mundo para entender.

Com a minha mão em concha, soprei, um beijo, e parti.







LUZ disse...

ARTE, PALAVRAS E MÚSICA NO CORAÇÃO.

Todavia, tenho a certeza, que há mais coração do que música.

Que bom momento musical e de dança, também. OBRIGADA!
Este sim, "calientíssimo", mas muito decente e sincero.

Adorei a coreografia e, vou revelar-se um segredo, que ninguém vai saber: eu gostava de ser ela.

Aquele abraço protetor, quase no final, deve ter sabido a pouco, a ambos, mas homem e mulher têm diferentes sentires.
"Este" Juan Luís sabe acarinhar, com elevação. NOTA 21.

Um abraço... que... (não me lembro do que ia dizer. Fiquei assim, desde o traumatismo sensorial, aquele do raio de sol. Deixe-me mentir. Posso)?

maria teresa disse...

Sem palavras para descrever o como gostei e senti!
Abracinho meu!

Rita Freitas disse...

Muito quente e intenso este poema. Gostei

Bjs e bf de semana

Mona Lisa disse...

Intenso! Arrepiante!

O amor ao rubro!

Adorei!

Beijos.

LUZ disse...

Bom dia, Sérgio!

Sabe, estou com medo de quando os seus outros amigos/as comentadores/as passarem por cá, já não haver vídeo pra ninguém.
Eu "como-o" com o olhar e ouvi-lo... ai, já não sei o número de vezes.
Por favor, então, peça-lhes desculpa, por mim.

Feliz dia, com muito vento, infelizmente.

Abraço, assimmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm

sérgio figueiredo disse...

Bom dia, Luz!

estou convencido que posso falar pela boca dos meus amigos/as, comentadores/as dizendo que eles não se ofenderão e compreendem essa sua "paixão" pelo vídeo.
não se retraia, use e abuse. aliás, com o temporal que está aproveite, acomode-se no seu aconchego, ponha o Juan Luís Guerra a cantar bem alto e dance, dance a seu belo prazer.

e tenha, assim, um feliz dia.
Abraço

LUZ disse...

Olá, Sérgio!

Texto melhorado. Verdade?
Sem conta, peso e medida... então em tempo, que dizem, ser de crise não se deve ter mão, ou seja, não se pode ser "um mão largas"?
Ah, pois! Aqui, é amor, portanto, não há contabilidade possível.

Solamente por una noche...pobre corazon... tá ra, tá, tá... ai, ai, ai.

EXCELENTE!

Já chegou o solllllllllllll!
Vou beijá-lo. Volto já.

LUZ disse...

Olá, Sérgio!

Mas que visual!
Nem avisa, nem nada!
Está feliz, risonho e cheio de esperança, no olhar.
Tem coragem de dizer que não é verdade?

Olhe, está lindo, um Apolo.
Beijinho da Luz, com muito carinho.

LUZ disse...

Ai, só vejo comentários meus.

Estou a "roubar-lhe" espaço. Estou a monopolizar o seu blogue.
Bem, eu sou da província do latifúndio, além Tejo, daí, eu pensar que me posso "espraiar", porque a extensão é enorme.
As minhas desculpas, mas penso voltar, se Deus e o Sérgio quiserem.

Abraço.

. intemporal . disse...

.

.

. sérgio,,, .

.

. sempre no teu melhor . que tão bem conheço . ou penso conhecer .

.

. pela fogosidade que sendo a tónica dos/nos teus sentires . e que nas palavras "adormece" . para lhes dar vida . :) . com ímpeto . e fulgor .

.

. um forte abraço .

.

.

© Piedade Araújo Sol disse...

fogoso e muito belo.

dá vontade de dançar a vida.

(nota:dançar a vida)

beijinho

LUZ disse...

Lindo!
Perfeito e estético.
Tem mas mãos de "ouro".

Fez, ontem, o cabeçalho e hoje, o "corpo" do seu "Palco". Estou atenta.

Está clássico, antigo, como gosta, mas de aspeto muito lavado.

Não tenho ainda a questão do computador resolvida. Estou num portátil, com o qual não me ajeito.
mesmo nada.

ATREVO-ME a dizer-lhe que tenho saudades suas, das suas "provocações" e da forma como espicaça os sentimentos.

Tem estado muito inspirado, em matéria, pelo menos de Artes.
Mas, sabe, sinto falta no seu blogue de um símbolo quente", mas não sei bem o quê.

Bom domingo, que convida à meditação e ao aconchego, como tantas vezes diz.

Talvez, TALVEZ, falemos, hoje, no final do dia. Não sei, depende do técnico.

Saudades.

LUZ disse...

Pretendo retificar: tem Mãos e não, mas, mãos, aquela "coisa" descabida.

Abraço.

LUZ disse...

Aliás, o que eu quero mesmo dizer é: TEM UMAS MÃOS DE OURO.
Agora, sim.

Que burra!

LUZ disse...

Olá!

Venho ouvir, de novo, Juan Luis, mas não dá por causa do vídeo, que está a tocar, nesse seu último texto. Cantam os dois ao mesmo tempo.
Vá vou ouvi-lo e "saboreá-lo".

O meu poema, "Aguarela" está postado noutro blogue português, pedindo-me para tal, prévia autorização.

Gostaria que passasse por lá, deixasse um comentário, porque o blog é relativamente novo (fez um ano há dias) e não tem muita divulgação, penso eu.

sinfoniaesol.wordpress.com

Este é o endereço do blogue. Repare nos olhos da menina, que até se movimentam e no vídeo. Está lá, também uma foto da Rosa Solidão.

Obrigada.
Abraço.

PS: TALVEZ, hoje à noite, tenha já computador, talvez. O técnico disse que passaria por cá lá para as 21h30m.
Já li o seu comentário, que ainda não passei. Cheguei há pouco e logo, 20h, swimming-pool.