30 abril 2013




o meu corpo está cansado... mas as palavras dançam e eu sou pouco para as travar. elas dançam, dançam, e continuam a dançar... com o seu próprio cantar. elas sabem o que querem... e eu sou pouco para as travar. chego a perguntar-lhes...
"mas onde é que vocês querem chegar e convosco me arrastar"...??
elas respondem-me dançando,  e eu...

mas quem sou eu para as travar...??


adoro a música Celta...!!

8 comentários:

LUZ disse...

Olá, estimado Sérgio!

Com palavras se faz amor, com palavras se faz a guerra.

AS PALAVRAS SÃO TÃO IMPORTANTES! NÃO AS TRAVE, PORQUE O QUE DISSER, TEM LÓGICA E SALTA-LHE DO PEITO.

Se for "arrastado" por ela, uma única palavra que seja e que sinta verdade nela, "afogue-se" e por perto não haverá nadador salvador, decerto.

Excelente noite.
Abraço da Luz.

© Piedade Araújo Sol disse...

por vezes não temos mão (nem travão) nas palavras...

:)

LUZ disse...

Olá,Sérgio!

Como tem passado?
Por aqui, tudo na mesma, tudo normal.

Não tenho nenhuns endereços e e-mails "metidos" neste PC portátil, portanto vamos "falando" por aqui. Vê nisso algum inconveniente?

Agradeço os comentários, que me deixou nos blogues, e se gostava de ser poeta, olhe que já não está longe desse caminho aprazível, desse estado de alma e desse talento. Talento, sim. Foi exatamente isso mesmo que acabou de ler.

INTERIORIZE, PORQUE É VERDADE.

Não gosta, detesta mesmo a palavra, ADEUS, por parecer-lhe, para sempre, mas no caso do poema QUE LHE DEDIQUEI, a mesma é sinónimo de até logo, até muito, muito breve.

Eu sei que há "até breves", que nos parecem mais extensos, mais longos e mais penosos que adeus, mas NÃO é o nosso caso. Sente-o, por decerto.

Há comentários que lhe deixam, e que me fazem sorrir. Não podemos gostar todos do amarelo. Há sempre a ELEITA, falo de cores, naturalmente, e a nossa é o azul.

Dias felizes, muito felizes.

Um abraço saudoso.

PS: os franceses, mais uma vez sublinho a minha admiração pela cultura daquele povo, têm várias palavras para o nosso adeus.

Entre nous, il sera toujours, À TOUT À L´LHEURE, ou seja, traduzido à letra, A TODA A HORA.

Fique bem, muito bem, com luz.

LUZ disse...

Retifico: À TOUT À L´HEURE.

Bis.

sérgio figueiredo disse...

claro que não há qualquer inconveniente...!!

Bom Dia,Luz!
como está, e como vão decorrendo essas férias...?? num sítio paradisíaco, porque o é, como o Alentejo, só pode estar bem e com todo o descanso a acompanhá-la em pleno.

peço desculpa de só hoje estar a retribuir as suas, deliciosas, palavras mas, já vai para 4 dias que dei uma queda numa escada e contraí várias luxações ao nível da coluna e costelas. como deve imaginar, as dores e a limitação de movimentos tem dolorosa, mas tudo tenho feito para minimizar e evitar ter que ir para um hospital. vale-me ter o Rodrigo comigo, que me vai ajudando e proporcionando as massagens necessárias... mas estou bastante massacrado com as lesões.

ora, em face desta situação confesso... tenho estado grande parte do meu tempo sempre deitado, para evitar fazer movimentos e... a disposição está completamente em baixo. tem sido bastante penoso, e não sou daqueles que me entrego ás doenças, o que fará se fosse...

a Luz está no alto, ou baixo, Alentejo...?? sabe que eu gosto mesmo do Alentejo...??

não se esqueça que está de férias... goze-as...!!

abracinhos

LUZ disse...

E eu a pensar que estava, "temporariamente", "momentâneamente" numa "boa", porque não é de "ferro", e a desagradável notícia chegou: uma queda.

Boa noite, Sérgio!

Então como se sente? Já está um bocadinho melhor? Graças a Deus que o Rodrigo está consigo e pode dar-lhe apoio, de todas as formas e feitios, dentro do possível.

Fiquei bastante preocupada com a sua situação, porque, sentindo-se tão dorido, não foi ao hospital, para ser radiografado.

Por vezes, parece-nos que não partimos nada, fisicamente falando, porque ainda estamos "quentes", mas depois, verifica-se que não é assim.

Sérgio, não se trata de se entregar ou não às doenças, de ser ou não piegas, trata-se, sim, de uma queda, que precisava de ter sido vista em contexto hospitalar.

Por aqui, está tudo normal e com muito calor.

Desejo-lhe as melhoras, e vá ao hospital. Será melhor.

Uma noite satisfatória, dentro dos possíveis.

Um abraço,

de luz (eu sei que a luz não faz passar as dores, mas ao menos, ameniza, espiritualmente).

sérgio figueiredo disse...

que maravilha, era assim que eu gostava de passar uma férias... vejo o brilho dos seus olhos que dizem tudo, e até o que não deviam dizer...

eu, embora melhor, continuo a maior parte do tempo em repouso... algo está mesmo ofendido e duro de roer, quer dizer, de curar. o mais incomodativo é a limitação de movimentos, porque as dores vão-se suportando.

continuação de Boas Férias
abracinho

LUZ disse...

Era? Então, basta acreditar e passar à parte prática. Há sonhos que se realizam, sem esperarmos.

Vê o brilho nos e dos meus olhos? Hummmmmmmm! Bem, o mais "grave" é ver aquilo que eles não dizem, ou não podem, não devem dizer.

Boa noite, estimado Sérgio!

Parece-me melhorzinho. Verdade? Deus queira que sim.

Tenho saudades, MUITAS, das nossas tertúlias. este domingo, final da tarde, se DEUS QUISER, estarei de regresso ao meu "ninho".

Como excedi, em ambos os blogues, os 200 comenários e agradecimentos, tive de escrever nova mensagem, explicando isto mesmo.

Gostaria que fosse o primeiro a estrear o "espaço", sempre e todo seu.

Feliz noite, com palavras, gestos ou apenas imaginação. O importante é acontecer, a "UMA SÓ VOZ".

Abraço,

de muita luz.