11 julho 2011

a carta...

quero escrever-te uma carta, dizer-te palavras que tantas vezes tas não digo quando contigo estou.
os teus lábios me impedem de as pronunciar fazendo-me calar ao conquistarem os meus, que se envolvem com a cumplicidade da sensualidade dos teus, só sentida no beijo que os une, dando lugar ao prazer e ao comungar de um salivar que se mistura com o desejo.
quero escrever-te uma carta, mas as palavras se enfrentam com a porta fechada pela recordação dos momentos, tão recentes, que vivi enquanto te sentia.
quero escrever-te uma carta, mas é a minha caneta que me diz que essas palavras não se escrevem, que só se expressam, dizendo-as, segredando-as, ao teu ouvido.
quero tanto escrever-te uma carta, mas as minhas mãos se recusam a pegar na caneta dizendo que são feitas para te acariciarem, e não para serem utilizadas a escreverem palavras para ti. 

quero tanto escrever-te uma carta...   

16 comentários:

Aninha Zocchio disse...

Algumas palavras não precisam ser ditas, mas sentidas, vividas...
Escreva sua carta de olhos nos olhos, com dedos invisíveis a tocar peles quentes!
Escreva sua historia, desenhe e seja a personagem principal que compartilha o palco com aquela que lerá todas as palavras nas entrelinhas dos olhares, gestos e afetos!
Abraços poeta!

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Como sempre os teus dedos deslizam nas palavras, como quem beija as letras...e sim...escreve-lhe uma carta cheia de ti e plena de amor.

Deixo o meu beijinho
Rosa

P.S. Estou melhorando...quase boa

BRANCAMAR disse...

Cartas também podem ser carícias, complemento dos momentos reais, uma porta de entrada e saída para muitos sonhos. Grandes romances outrora foram vividos por carta.

Um beijinho
Branca

Ingrid disse...

palavras..
tão dispensáveis e inúteis por vezes..
linda "carta"..
beijos perfumados..

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

Parece-me que a carta já foi escrita nas linhas do coração e segredada no fundo da alma.
Beijokas doces

Multiolhares disse...

Pois escreve essa carta, escreve muitas,complementa os momentos vividos com as palavras não ditas mas sentidas,dá luz,dá amor a uma folha branca que extasiada ficará ao sentir o toque da caneta com palavras por ti escritas e lidas pelo teu amor.
beijinhos

Janaina Cruz disse...

Palavras que fogem de nós em momentos especiais são corriqueiras, enquanto estamos felizes só nos importamos com esse momento, e isso por sí só já é tudo!!! rs

Encontrei teu blog no blog da Aninha e gostei daqui, filio-me ao local.

Abraços

BRANCAMAR disse...

Volto com um sorriso, depois do passeio que dei por aí... :)), tu entendes.

Retorno com mais tempo.

Beijos
Branca

ZéPortugal disse...

Retrato:

Há diversidade na textura de uma carta. A Sua tem um conteúdo delirante, tem a beleza de um amanhecer ansioso de vida, mas o perigo de se tornar etérea e fugaz.

Se aprisionar um pouco as palavras,
talvez a seiva seja mais ténue, mas mais duradoira.

Subjectividades !...
Namastê

mfc disse...

Precisamos tanto de sentir essas cartas que escrevemos... é como que um dever de confissão!

Maria João disse...

A palavra escrita não é uma caricia aprisionada, pelo contrário, é antes um silêncio que se nega quando, na verdade, ele deve ser negado!

Um beijinho

Drops disse...

E como se escreve sem se escrever?

Sentir é assim, deixam-se os dedos fugir por onde querem, e às vezes, conseguem-se maravilhas como esta.

Beijinhos

R.

Anónimo disse...

lindo

Maria

Paula Barros disse...

Expressar os senttimentos, dizer, sentir..uma carta, um telefonema, um abraço, um e-mail...o importante é expressar e mais ainda viver.


abraço

Ma Ferreira disse...

R. as vezes as palavras nem precisam ser escritas, nem ditas..
só sentidas..
bj

Ma

Palavras disse...

Olá,

Nem sempre as palavras podem escritas
Nem sempre as palavras conseguem ser ditas


Lindo! Lindo!

Abraços